quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Fossas do Ofício Papai Noel


Fala aí, Papai Noel, beleza?
É o Zeca, está lembrado de mim?

Acho que não! Afinal, tem anos que não passa por aqui...
Calma, calma, não se preocupe! Entendo que é um homem ocupado e tem lá seus compromissos importantes. Tenho o visto todos os dias naquele shopping, fotografando com aquelas crianças insuportáveis.
Também reconheço que não tenho honrado aquele pré-requisito de ser um bom menino pra ser merecedor da sua visita, mas eu tenho escovado meus dentes por horas milhares de vezes, depois de cada refeição, e a maldita fada dos dentes também não passou por aqui. Ou a maluca não sabe dirigir mesmo pra chegar aqui nessa biboca (como toda mulher) ou está mais ocupada por aí, se aplicando decalitros de silicone, colágeno e botox (como toda mulher).

Ops... autocontrole, ativar.

Pois é, retomando nossa conversar, eu não vinha sendo um bom menino, mas neste ano eu me esforcei! Se o que vale é a intenção, ôrra!, tu me deves um presente deveras caro. Bem sabe como é difícil pra mim.
Embora tenha me comportado, confesso que só passou pela minha cabeça o contrário. Conto inúmeras as vezes que quis incendiar o gato novamente. Posso até não tê-lo salvo quando a máquina de lavar ligou, mas... Também não coloquei tachinhas na cadeira de ninguém. Minha mãe disse que isso pode infectar pessoas com tétano. Passei a usar cacos de vidro devidamente lavados!
Está vendo? Além de não decepcioná-lo, ainda posso ser fonte de orgulho.
Tornei-me uma pessoa ambientalmente consciente. Fulano tacou latinha no chão? Leva latinhada na cabeça! Sim! Além de consciente, também passei a defender o meio ambiente! E passei a praticar esportes. Corri de muita gente que a latinha acertou de "mal-jeito".

Passei a alimentar meu cachorrinho quase todos os dias e meu peixinho quase toda hora. O cachorro cretino já se sustenta em pé por quase 2 minutos sobre as patas trêmulas e o peixe ridículo sumiu há alguns meses na água turva do aquário. Mas continuo alimentando-o de hora em hora.
Aliás, a água está com um cheiro meio ácido... meus olhos ardem quando abro a tampa pra jogar a comida... Desconfio que o peixe dissolveu...
Amanhã, vou por cloro.

Ajudei minha mãe com a louça durante todo o ano.
Como ela mesmo diz "muito ajuda, quem não atrapalha", então alimentava o peixe débil-mental desaparecido, de novo, enquanto ela arrumava tudo.

Não brigo mais na escola aqui perto de casa. Já na em que eu estudo...
Mas ainda considero que estou sendo um bom menino! Essas brigas são um trabalho social, essas pessoas precisam de um corretivo!
Também não brigo mais com meu irmão. Minha mãe disse que foi a gota d'água eu ter contado que é adotado. Porém, tenho notado evolução do seu estado clínico depois do choque... passaram-se só 9 meses e já está esboçando reações! Outro dia, o vi piscar! Acho que já vai me dar trabalho...
Trabalho social, claro.

Também não quebrei o vaso da sala, nem o vidro da janela, nem porta-retrato da vovó... É que o aquecimento global tem feito ventar muito por aqui.
Nem manchei a cortina do quarto e não grudei chiclete no carpete. Eu estava alimentando o peixe escroto quando essas coisas aconteceram.
Nem quebrei a cadeira da varanda (que a vovó sentou e caiu! hahahaha). Aliás, acho que foi a vovó que quebrou, pois vieram com uma conversa de que, no tombo, ela quebrou a bacia! Eu não vi bacia nenhuma! Pra mim que ela quebrou foi a perna da cadeira mesmo! E agora fica naquela cama dia e noite toda folgadona gemendo de dor ou fingindo de morta.

Olha, olha: não falo mais palavrões!
Só pra aquele peixe babaca dos infernos...
...ah, e pro meu irmão, enquanto ainda não piscava.

Fui à missa todos os finais de semana com minha avó, antes de ela inventar essa farsa de que não pode andar porque caiu da cadeira que eu deixei a perna manca (velha safada!), e sentei na primeira fila, de onde aquele coroinha maricas podia enxergar minhas caretas.
Como isso é ser um bom menino? Oras! Ele não tinha que "forçar as vistas" tanto quanto se eu me sentasse na quinta fila!
Além disso, levei o peixe retardado comigo na missa da multiplicação dos peixes. Foi uma missa muito curta... Sabe Deus que houve! Pessoas com crises de espirros, de tosse, asma e ardência nos olhos...

Minha mãe descobriu que levei, porque aquele peixe nojento deixou o bolso do meu jeans todo melecado e fedendo.
Mas "infinita é a misericórdia de Deus" e não apanhei porque chacoalhei o aquário e aquele peixe estúpido balançou lá no fundo, provando que estava vivo. Alimentei-o de novo e acho que foi quando desapareceu... Peixe idiota ingrato!
Juro que, quando achá-lo, vou colocá-lo na sopa da vovó e ensinar uma lição pros dois! Ops... quero dizer, prometo não fazer isso.

Não espalhei mais que minha professora tem pacto com diabo. Não zombo mais do bigode dela também.
Não jogo mais pedras muito grandes no filho nerd da vizinha.

Bom, como pôde ver, comportei-me como nunca e resisti às tentadoras oportunidades de por tudo a perder. Mesmo que queira julgar que não fui um bom menino, concordemos que deixei de ser mau menino e mereço sua visita com um generoso regalo.
Prometo não deixar bolinhas de gude espalhadas pelo chão da sala como naquele ano.
Ainda bem que o tio Oto que foi dar uma de papai Noel e se estabacou andando sobre as bolinhas antes que você chegasse, heim? Senão, hoje poderia ser o senhor naquela cadeira de rodas.

Feliz Natal!
Zeca

Nenhum comentário: